61 3711-7106

Assine nossa Newsletter

Entrada Inválida

 

 

As Escolas do Lar

À medida que avançarmos no estabelecimento de escolas de igreja, encontraremos uma obra a fazer-se em prol das crianças nos lugares em que se julgou não se poder manter uma escola. Tanto quanto possível, todos os nossos filhos devem ter o privilégio de uma educação cristã. A fim de provê-la, devemos algumas vezes estabelecer escolas no lar. Bom seria se várias famílias da vizinhança se unissem para empregar um professor humilde, temente a Deus, a fim de dar aos pais o auxílio que é necessário na educação dos filhos. Isso será uma grande bênção a muitos grupos isolados de observadores do sábado, e um plano mais agradável ao Senhor do que aquele que algumas vezes tem sido seguido, de mandar de casa tenras crianças, a freqüentar uma de nossas escolas maiores.

Nossos pequenos grupos de observadores do sábado são necessários para manter a luz diante de seus vizinhos, e precisam das crianças em seus lares, onde, terminadas as horas de estudo, podem ser um auxílio a seus pais. O lar cristão bem organizado, onde as tenras crianças podem ter aquela disciplina paternal que é segundo a determinação do Senhor, é para elas o melhor lugar.

Os primeiros anos da infância são de pesada responsabilidade para os pais e mães. Os pais têm um dever sagrado a cumprir, ensinando os filhos a auxiliar nos encargos do lar, a estar contentes com alimentos singelos e simples, e vestuário limpo e pouco dispendioso. As exigências dos pais sempre devem ser razoáveis; manifestem bondade, não em tola condescendência, mas em uma sábia direção. Ensinem os pais aos filhos com satisfação, sem ralhar nem criticar, procurando unir o coração dos pequenos a eles pelos sedosos laços do amor. Sejam todos, pais e mães, professores, irmãos e irmãs mais velhos, uma força educativa para fortalecer todos os interesses espirituais, e trazer ao lar e à vida escolar uma atmosfera sadia, que auxilie as crianças mais novas a crescer na doutrina e admoestação do Senhor. Conselhos aos Pais Professores e Estudantes, 158-159