61 3711-7106

Assine nossa Newsletter

Entrada Inválida

 

 

Sábado, 01 Junho 2013 02:35

A Verdadeira Reforma de Saúde

REFORMA DE SAÚDE: "Uma Mensagem Enviada do Céu"

“Tenho tido do Senhor grande luz acerca do assunto da reforma de saúde. Não busquei essa luz; não estudei a fim de obtê-la; ela me foi dada pelo Senhor para comunicá-la aos outros.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 493).

“Foi na casa do irmão A. Hilliard, em Otsego, Michigan, a 6 de junho de 1863, que me foi exposto em visão o grande tema da reforma de saúde. Review and Herald, 8 de Outubro de 1867.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 481).

“Na revelação que me foi concedida tanto tempo atrás [1863], foi-me mostrado que a intemperança prevaleceria no mundo numa proporção alarmante e que cada um que pertence ao povo de Deus deve tomar uma elevada posição quanto à reforma dos hábitos e práticas. ... O Senhor expôs perante mim um plano geral. Foi-me mostrado que Deus daria ao Seu povo que guarda os Seus mandamentos uma reforma alimentar, e que quando eles a recebessem, suas enfermidades e sofrimentos deveriam diminuir grandemente. Mostrou-se-me que essa obra progrediria.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, págs. 481-482).

“É impossível aos que condescendem com o apetite alcançar a perfeição cristã... Deus tem permitido que a luz da reforma de saúde brilhe sobre nós nestes últimos dias, a fim de que andando na luz escapemos a muitos dos perigos a que estaremos expostos.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 22).   

REFORMA DE SAÚDE UM PRINCÍPIO BÍBLICO.

“Os princípios da reforma de saúde encontram-se na Palavra de Deus. O evangelho da saúde deve estar firmemente associado com o ministério da Palavra. É desígnio do Senhor que a influência restauradora da reforma de saúde seja parte do último grande esforço para proclamar a mensagem do evangelho.” (ELLEN G. WHITE, Medicina e Salvação, pág. 259).

NO ÉDEN.

“Disse Deus: Eis que lhes dou todas as plantas que nascem em toda a terra e produzem sementes, e todas as árvores que dão frutos com sementes. Elas servirão de alimento para vocês.” Gênesis 1:29 (NVI).

“Deus deu a nossos primeiros pais o alimento que designara à raça comer. Era contrário a Seu plano que qualquer criatura tivesse a sua vida tomada. Não devia haver morte no Éden. O fruto das árvores do jardim era o alimento que as necessidades do homem requeriam.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 81).

SANSÃO.

“Depois teve esta mulher um filho, a quem pôs o nome de Sansão; e o menino cresceu, e o SENHOR o abençoou.” Juízes 13: 24.

“E havia um homem de Zorá, da tribo de Dã, cujo nome era Manoá; e sua mulher, sendo estéril, não tinha filhos. E o anjo do SENHOR apareceu a esta mulher, e disse-lhe: Eis que agora és estéril, e nunca tens concebido; porém conceberás, e terás um filho. Agora, pois, guarda-te de beber vinho, ou bebida forte, ou comer coisa imunda.” Juízes 13: 2-4.

“Quando o Senhor quis suscitar Sansão para libertador do Seu povo, Ele prescreveu à mãe hábitos corretos de vida antes do nascimento de seu filho. E a mesma proibição devia ser imposta, desde o princípio, ao menino; pois devia ser consagrado a Deus como nazireu, desde o nascimento. [...] Deus tinha uma obra importante para o prometido filho de Manoá realizar, e foi para garantir-lhe as habilitações necessárias para essa obra, que os hábitos tanto da mãe como do filho deviam ser tão cuidadosamente regulados. ‘Nem vinho, nem bebida forte beberá’ (Juí. 13: 14), foi a instrução do anjo para a esposa de Manoá, ‘nem coisa imunda comerá; tudo quanto lhe tenho ordenado guardará.’ Juí. 13: 14. (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 218).

DANIEL.

“E disse o rei a Aspenaz, chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real e dos príncipes, jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus.

E o rei lhes determinou a porção diária, das iguarias do rei, e do vinho que ele bebia, e que assim fossem mantidos por três anos, para que no fim destes pudessem estar diante do rei. E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias.  E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias o de Abednego.

E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar. Ora, Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos. E disse o chefe dos eunucos a Daniel: Tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois por que veria ele os vossos rostos mais tristes do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim porias em perigo a minha cabeça para com o rei.

 Então disse Daniel ao despenseiro a quem o chefe dos eunucos havia constituído sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias: Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias, e que se nos deem legumes a comer, e água a beber. Então se examine diante de ti a nossa aparência, e a aparência dos jovens que comem a porção das iguarias do rei; e, conforme vires, procederás para com os teus servos.

E ele consentiu isto, e os experimentou dez dias. E, ao fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes melhores, e eles estavam mais gordos de carne do que todos os jovens que comiam das iguarias do rei.

Assim o despenseiro tirou-lhes a porção das iguarias, e o vinho de que deviam beber, e lhes dava legumes.  E ao fim dos dias, em que o rei tinha falado que os trouxessem, o chefe dos eunucos os trouxe diante de Nabucodonosor. E o rei falou com eles; e entre todos eles não foram achados outros tais como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; portanto ficaram assistindo diante do rei. E em toda a matéria de sabedoria e de discernimento, sobre o que o rei lhes perguntou, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos astrólogos que havia em todo o seu reino.’ Daniel 1: 3-16, 18-20.

“Por que Daniel e seus companheiros se recusaram a comer da mesa do rei? Por que recusaram suas carnes e vinhos? Porque haviam sido ensinados que este tipo de alimento não conservaria a mente ou a estrutura física na melhor condição de saúde para fazer o serviço de Deus. Estes jovens insistiram com todo o ardor que o encarregado de sua alimentação não os obrigasse a participar das guloseimas do rei ou beber de seu vinho. Pediram-lhe que fizesse uma experiência com eles por apenas dez dias, e então os examinasse e decidisse com base em sua aparência física se sua dieta abstêmia os estava colocando em desvantagem. Quando compareceram para ser examinados, o resultado foi decididamente a favor deles. Por outro lado, não foi isso que ocorreu com os jovens que haviam comido dos manjares do rei e bebido do seu vinho. O claro brilho de seus olhos havia desaparecido; o saudável rubor de seu semblante se fora. Os quatro cativos hebreus tiveram, como resultado, permissão para receber a dieta que haviam escolhido. Que efeito teve isto sobre a mente e o caráter?

Eles haviam conscienciosamente recusado o estímulo da carne e do vinho. Obedeceram à vontade de Deus com abnegação, e Ele demonstrou Sua aprovação. Deus desejava que os Seus servos O honrassem através de sua lealdade a firmes princípios em todos os seus hábitos de vida. Seu semblante seria um testemunho de integridade física e pureza moral. ‘Ora, a estes quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência.  Dan’. 1: 17... Eles eram participantes da natureza divina.” (ELLEN G. WHITE, M.M. Refletindo a Cristo, pág. 135).

JOÃO BATISTA.

“Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João. E terás prazer e alegria, e muitos se alegrarão no seu nascimento, porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe.” Lucas 1: 13-15. 

“E este João tinha as suas vestes de pelos de camelo, e um cinto de couro em torno de seus lombos; e alimentava-se de gafanhotos e de mel silvestre.” Mateus 3:4.

“João separou-se dos amigos e dos luxos da vida. A simplicidade de seu vestuário, feito de pelos de camelo, era uma permanente reprovação à extravagância e exibição dos sacerdotes judeus, bem como do povo em geral. Seu regime, puramente vegetariano, composto de gafanhotos e mel silvestre, era uma reprovação à tolerância para com o apetite e a glutonaria predominante em toda parte. ...” (ELLEN G. WHITE, M.M. Maranata, o Senhor Vem, pág. 20).

Obs.: Na realidade João Batista não comia gafanhotos “insetos”, mas uma fruta típica daquela região chamada alfarrobas. Ele alimentava o seu apetite natural e não o pervertido e depravado.

“João separou-se dos amigos e ostentações da vida... Seu regime, puramente vegetariano, composto de alfarrobas e mel silvestre...” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 71).

PAULO.

“O que está certo é não comer carne, não beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa que leve um irmão a cair em pecado.” Romanos 14: 21 (NTLH).

“Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” I Coríntios 10: 31. (NTLH).

“Portanto, meus irmãos, por causa da grande misericórdia divina, peço que vocês se ofereçam completamente a Deus como um sacrifício vivo, dedicado ao seu serviço e agradável a ele. Esta é a verdadeira adoração que vocês devem oferecer a Deus. Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele.” Romanos 12: 1-2 (NTLH).

“Paulo foi um reformador de saúde. Disse ele: ‘Subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.’ I Cor. 9: 27. Ele compreendia que sobre si repousava a responsabilidade de preservar toda a plenitude de suas forças, para que pudesse usá-las para glória de Deus. Se Paulo corria o perigo de intemperança, nós corremos perigo ainda maior, porque não sentimos e compreendemos como ele a necessidade de glorificar a Deus em nosso corpo e em nosso espírito, os quais Lhe pertencem. Comer demais é o pecado deste século.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 133). 

O ÚLTIMO REMANESCENTE SERIA VEGETARIANO. 

A palavra de Deus fala de um período, no qual seria “[...] um tempo oportuno para efetuar reformas”, Heb. 9: 10. Relata-nos ainda que Jesus ficaria no céu até chegar o tempo em que todas as coisas fossem renovadas, (conferir Atos 3: 21 “NTLH”). A bíblia diz que antes da finalização da obra na terra, antes da volta literal de Cristo, um povo seria restaurado novamente a imagem e semelhança de Deus (Mat. 5: 48; I Ped. 1: 14-16; Col. 1: 27, Gal. 4: 19; João 17: 20-23). E voltariam a viver de acordo com o plano original estabelecido por Deus no Éden. Isso inclui logicamente a alimentação. 

Este plano foi reafirmado pelos profetas no decorrer da história bíblica “Um Remanescente Vegetariano”.

“Fazes crescer capim para o gado e verduras e cereais para as pessoas, que assim tiram da terra o seu alimento.” Salmos 104:14 (NTLH).

“Naquele dia, quem ficar com uma vaca nova e duas cabras, terá tanto leite, que poderá comer coalhada. E todos os que ficarem com vida no país comerão coalhada e mel.” Isaías 7: 21-22.

Obs.: O interessante é que neste período as pessoas que tivessem animais, não os sacrificariam para se alimentarem, pelo contrário, usariam apenas do que naturalmente o animal produzisse como alimento. (Ex.: Das vacas e das cabras, o leite; das abelhas, o mel; das galinhas, os ovos, etc.).  

“Os bons cuidam bem dos seus animais, porém o coração dos maus é cruel. Quem cultiva a sua terra tem comida com fartura, mas quem gasta o tempo com coisas sem importância não tem juízo.” Provérbios 12: 10-11 (NTLH).

“Se forem humildes e me obedecerem, vocês comerão das coisas boas que a terra produz. Mas, se forem rebeldes e desobedientes, serão mortos na guerra. Eu, o SENHOR, falei.” Isaías 1:19-20.

“É melhor ter verduras na refeição onde há amor do que um boi gordo acompanhado de ódio.” Provérbios 15: 17 (NVI).

 E você, deseja fazer parte do povo que viverá de acordo com os propósitos de Deus, ou continuará alimentando sua natureza carnal e pecaminosa?

“Não podemos fazer agora como nos arriscamos a fazer no passado quanto ao comer carne. Esta tem sido sempre uma maldição à família humana, mas em nossos dias isto se torna particularmente a maldição pronunciada por Deus... nossa única segurança agora é deixar a carne inteiramente de lado... Os princípios serão de muito maior valor quando forem compreendidos, quando for sabido que a vida de nenhuma criatura viva será tirada para sustentar a vida do cristão. Carta 59, 1898.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 22).

FIDELIDADE NA REFORMA DE SAÚDE.

Fui incumbida de dirigir uma mensagem a todo o nosso povo no tocante à reforma do regime alimentar; pois muitos se têm desviado de sua anterior fidelidade a esses princípios. O propósito de Deus, em relação aos Seus filhos, é que cresçam até à estatura perfeita de homens e mulheres em Cristo Jesus. Para o conseguir, cumpre que façam uso legítimo de toda faculdade do espírito, alma e corpo. Não devem desperdiçar nenhuma força mental nem física. O assunto de como preservar a saúde é de importância capital. Estudando-o no temor de Deus, acharemos que o melhor para a nossa prosperidade, tanto física como espiritual, é observar regime alimentar simples. Estudemos pacientemente a questão. Necessitamos de sabedoria e bom critério, a fim de proceder sabiamente neste assunto. As leis da natureza não devem ser contrariadas, mas obedecidas. Os que têm sido instruídos com relação aos efeitos prejudiciais do uso da alimentação cárnea, do chá e do café, bem como de comidas muito condimentadas, e que estão resolvidos a fazer com Deus um concerto com sacrifício, não hão de continuar a satisfazer o seu apetite com alimentos que sabem ser prejudiciais à saúde. Deus requer que o apetite seja dominado, e se pratique a renúncia no tocante às coisas que fazem mal. É esta uma obra que tem de ser feita antes que o povo de Deus possa ser apresentado diante dEle perfeito.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 36).

QUEBRAR AS LEIS DE SAÚDE É O MESMO QUE QUEBRAR A LEI DE DEUS PROFERIDA NO SINAI.

“Uma das razões por que não desfrutamos mais das bênçãos do Senhor é que não acatamos a luz que Ele tem Se alegrado em nos dar com referência às leis da vida e da saúde. [...] Deus é autor das leis físicas tanto quanto o é da lei moral. Sua lei está escrita com o Seu dedo em cada nervo, em cada músculo e em cada faculdade que Ele confiou ao homem.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 17).

“É pecado violar as leis de nosso ser tão verdadeiramente como o é quebrantar os Dez Mandamentos. Num e noutro caso há transgressão às leis de Deus. Os que transgridem a lei de Deus em seu organismo físico estarão inclinados a violar a lei de Deus proferida no Sinai.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 17).

“Os homens e as mulheres não podem violar a lei natural mediante a satisfação de apetites pervertidos e de concupiscentes paixões, sem que transgridam a lei de Deus. Portanto, Ele permitiu que brilhasse sobre nós a luz da reforma de saúde, para que vejamos nosso pecado em violar as leis por Ele estabelecidas em nosso ser. Todo o nosso bem-estar ou sofrimento pode ser atribuído, em sua origem, à obediência ou transgressão no que respeita à lei natural. Nosso benigno Pai celestial vê a deplorável condição dos homens que, alguns com conhecimento, mas muitos ignorantemente estão vivendo em violação das leis por Ele estabelecidas. E movido de amor e piedade para com a humanidade, faz com que incida a luz sobre a reforma de saúde. Ele publica Sua lei e a pena que acompanhará a transgressão da mesma, a fim de que todos saibam, e sejam cuidadosos em viver em harmonia com a lei natural. O Senhor proclama tão distintamente Sua lei, e torna-a tão preeminente, que é como uma cidade edificada sobre um monte. Todos os seres responsáveis a podem compreender, se o quiserem. Os idiotas não são responsáveis. Tornar patente a lei natural e insistir em que se lhe obedeça, eis a obra que acompanha a terceira mensagem angélica, a fim de preparar um povo para a vinda do Senhor.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 17).

PREPARAR UM POVO PARA TRASLADAÇÃO.

“Em 10 de dezembro de 1871 foi-me mostrado novamente que a reforma de saúde é um ramo da grande obra que deve preparar um povo para a vinda do Senhor. Ela se acha tão ligada à terceira mensagem angélica, como as mãos o estão com o corpo.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 69).

“Por anos tem o Senhor estado a chamar a atenção do Seu povo para a reforma de saúde. Este é um dos grandes ramos da obra de preparação para a vinda do Filho do homem. João Batista saiu no espírito e virtude de Elias, a fim de preparar o caminho do Senhor, e fazer voltar o povo à sabedoria do justo. Era ele um representante dos que vivem nos últimos dias, a quem Deus tem confiado sagradas verdades para serem apresentadas perante o povo, a fim de ser preparado o caminho para a segunda vinda de Cristo. João era um reformador. O anjo Gabriel, vindo do Céu, deu instruções sobre reforma de saúde aos pais de João. Disse que ele não devia beber vinho nem bebida forte, e que seria cheio do Espírito Santo desde o seu nascimento. João separou-se dos amigos e ostentações da vida. A simplicidade de seu vestuário, feito de pelos de camelo, era uma permanente reprovação à extravagância e exibição dos sacerdotes judeus, bem como do povo em geral. Seu regime, puramente vegetariano, composto de alfarrobas e mel silvestre, era uma reprovação à condescendência para com o apetite e a glutonaria predominante em toda parte. O profeta Malaquias declara: ‘Eis que Eu vos envio o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor; e converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais.’ Mal. 4: 5 e 6. Aqui o profeta descreve o caráter da obra. Os que devem preparar o caminho para a segunda vinda de Cristo são representados pelo fiel Elias, assim como João veio no espírito de Elias para preparar o caminho para o primeiro advento de Cristo. O grande assunto da reforma deve ser agitado, e a mente do público deve ser estimulada. Temperança em todas as coisas deve estar associada com a mensagem, a fim de fazer voltar o povo de Deus de sua idolatria, glutonaria e extravagância no vestir e em outras coisas.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 71).

“Tem-me sido repetidamente mostrado que Deus está procurando levar-nos de volta, passo a passo, a Seu desígnio original - que o homem subsista com os produtos naturais da terra.  Verduras, frutas e cereais, devem constituir nosso regime. Nem um grama de carne deve entrar em nosso estômago. O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem. Não é tempo de que todos visem dispensar a carne na alimentação? Como podem aqueles que estão buscando tornar-se puros, refinados e santos a fim de poderem fruir a companhia dos anjos celestes, continuar a usar como alimento qualquer coisa que exerça tão nocivo efeito na alma e no corpo? Como podem eles tirar a vida às criaturas de Deus a fim de consumirem a carne como uma iguaria? Volvam eles antes à saudável e deliciosa comida dada ao homem no princípio, e a praticarem eles próprios e ensinarem a seus filhos, a misericórdia para com as mudas criaturas que Deus fez e colocou sob nosso domínio... Entre os que estão aguardando a vinda do Senhor, o comer carne será afinal abandonado; a carne deixará de fazer parte de sua alimentação.”  (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 380).

AUXÍLIO NO DISCERNIMENTO DA VERDADE.

“A ignorância agora não é desculpa para a transgressão da lei. A luz brilha claramente, e ninguém precisa ficar na ignorância, pois o próprio grande Deus é o instrutor do homem. Todos estão ligados a Deus pela mais sagrada obrigação de atender à saudável filosofia e genuína experiência que Ele lhes está dando agora em referência à reforma de saúde. É Seu desígnio que o grande assunto da reforma de saúde seja agitado, e a mente do público profundamente estimulada a pesquisar; pois é impossível a homens e mulheres, com todos os seus hábitos pecaminosos, destruidores da saúde e enervadores do cérebro, discernir a sagrada verdade, pela qual são santificados, refinados, elevados e tornados aptos para a associação com os anjos celestiais no reino da glória.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 70).

“A força da tentação para condescender com o apetite só pode ser medida pela inexprimível angústia de nosso Redentor naquele longo jejum, no deserto. Sabia Ele que a condescendência com o apetite pervertido de tal modo afetaria as percepções do ser humano que se não discerniriam as coisas sagradas.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 167).

SERÁ A REFORMA DE SAÚDE PONTO DE SALVAÇÃO?

No mundo há muitos chamados “sábios” que defendem a alimentação cárnea, pois dizem que esta alimentação é essencial e que este assunto não tem nada a ver com salvação ou perdição. 

Mas como será que Deus vê esta questão? (Isa. 55: 8-9; I Cor. 1: 19; 2: 6; 3: 19; Tia. 3: 15). 

A pergunta na verdade deveria ser: “Comer carne implica na minha salvação?” 

“Não estejas entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne.” Provérbios 23: 20. 

“Naquele dia o Soberano, o Senhor dos Exércitos, os chamou para que chorassem e pranteassem, arrancassem os seus cabelos e usassem vestes de lamento. Mas, ao contrário, houve júbilo e alegria, abate de gado e matança de ovelhas, muita carne e muito vinho! E vocês diziam: “Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos”. O Senhor dos Exércitos revelou-me isso: “Até o dia de sua morte não haverá propiciação em favor desse pecado”, diz o Soberano, o Senhor dos Exércitos.” Isa. 22: 12-14. 

Obs.: Sabemos que o “Dia do Senhor” iniciou-se em 1.844 com o início do “Juízo Investigativo”. Desta data em diante Deus, através de sua serva, enviou mensagens para levar o povo ao arrependimento, a prantear pelos seus pecados e purificarem-se de suas imundícias (conferir Isaías 22: 12). Mas vemos que, como está escrito na profecia de Isaías 22: 13, ocorreu o contrário, o povo não aceitou viver de acordo com o Deus pediu, e hoje muitos daqueles a quem foi enviado a mensagem da “Reforma de Saúde”, aqueles a quem foram enviadas o convite para abster-se de alimentos prejudiciais a saúde, em especial as “carnes de quaisquer espécie”, continuam  “matando animais e comendo suas carnes”, e entrando assim no desagrado divino, e certamente como foi profetizado em Isaías 22: 14, sofrerão as consequências...

“A fim de serem purificados e permanecerem puros, os adventistas do sétimo dia deverão possuir o Espírito Santo em seu coração e lar. [...] Se depois de tanta luz que lhes foi dada, os filhos de Deus ainda mantiverem hábitos errôneos, condescendendo com o apetite e recusando reformar-se, sofrerão fatalmente as consequências da transgressão. Se se propuserem satisfazer o apetite pervertido, seja a que preço for, Deus não os salvará miraculosamente daquilo que é o resultado de sua condescendência. "Em tormentos jazereis." Isa. 50: 11. (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre Saúde, pág. 138).

 “Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, e a morte e o mal; porquanto te ordeno hoje que ames ao SENHOR teu Deus, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e o SENHOR teu Deus te abençoe na terra a qual entras a possuir. Porém se o teu coração se desviar, e não quiseres dar ouvidos, e fores seduzido para te inclinares a outros deuses, e os servires, então eu vos declaro hoje que, certamente, perecereis; não prolongareis os dias na terra a que vais, passando o Jordão, para que, entrando nela, a possuas. Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência. Amando ao SENHOR teu Deus, dando ouvidos à sua voz, e achegando-te a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; para que fiques na terra que o SENHOR jurou a teus pais, a Abraão, a Isaque, e a Jacó, que lhes havia de dar.” Deuteronômio 30: 15-20.

“Amam o sacrifício; por isso, sacrificam, pois gostam de carne e a comem, mas o SENHOR não os aceita; agora, se lembrará da sua iniquidade e lhes castigará o pecado; eles voltarão para o Egito.” Oséias 8: 13.

“Cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas.” Filipenses 3: 19.

“A luz que Deus proporcionou sobre a reforma de saúde é para nossa salvação e a salvação do mundo.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 461).

“1A reforma de saúde deve realizar uma obra entre o nosso povo que ela ainda não realizou. Há os que devem estar atentos para o perigo de comer carne, pois ainda estão ingerindo a carne de animais, arriscando assim a saúde física, mental e espiritual. Muitos que agora estão apenas meio convertidos no tocante à questão de comer carne, se afastarão do povo de Deus para não mais andar com eles.” (ELLEN G. WHITE, Eventos Finais, pág. 72),

 “Os que usam carne menosprezam todas as advertências que Deus tem dado relativamente a esta questão. Não possuem nenhuma prova de estar andando em caminhos seguros. Não têm a mínima desculpa quanto a comer a carne de animais mortos.” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 383).  

“Entre os que estão aguardando a vinda do Senhor, o comer carne será afinal abandonado; a carne deixará de fazer parte de sua alimentação... É para o bem deles próprios que o Senhor aconselha a igreja remanescente a rejeitar o uso de alimentos cárneos...” (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, págs. 380-381).

“Devíeis saber o que causou a queda de Adão a fim de que não cometais o mesmo erro, e percais o céu como ele perdeu o Paraíso.” (ELLEN G. WHITE, Review and Herald, vol. 2, pág. 206).

“Adão caiu pela condescendência com o apetite; Cristo venceu pela negação do apetite. E nossa única esperança de reaver o Éden está no firme domínio próprio. Se o poder da condescendência com o apetite era tão forte sobre os homens que, para lhe quebrar as garras, o divino Filho de Deus, em favor do homem, teve de suportar um jejum de quase seis semanas, que tarefa se depara ao cristão! Entretanto, por grande que seja a luta, ele pode vencer. Pelo auxílio daquele poder divino que resistiu às mais ferozes tentações que Satanás podia inventar, ele, também, pode ter inteiro êxito em sua guerra contra o mal, e poderá no final ter na fronte a coroa do vencedor, no reino de Deus. Christian Temperance and Bible Hygiene, págs. 53 e 54. (ELLEN G. WHITE, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 167).

“Deus concedeu a luz sobre a reforma de saúde, e aqueles que a rejeitam, rejeitam a Deus.” (Special Testemonies, Série B, vol. 6, pág. 31).

“O povo remanescente de Deus deve estar convertido. A apresentação desta mensagem, visa à conversão e santificação das pessoas. Devemos sentir neste movimento a virtude do Espírito de Deus. É esta uma mensagem maravilhosa e definida; significa tudo para quem a recebe e deve ser proclamada em alta voz. Devemos ter fé verdadeira e constante em que esta mensagem há de continuar aumentando de importância até ao fim. (Ibidem, pág. 128).

  “É sua intenção que o grande assunto da reforma de saúde seja debatido e a mente do público profundamente estimulada a investigar [...] Não santificados, estão inaptos para serem adoradores espirituais, e não são dignos do Céu. Se o homem abraçar a luz que em misericórdia Deus lhe dá com respeito à reforma de saúde, ele pode ser santificado pela verdade, e habituado para a imortalidade. Mas se despreza essa luz e vive em violação à lei natural, terá de pagar a penalidade. (Testemunhos para Igreja, vol. 03, pág. 162).

REFORMA DE SAÚDE NÃO É APENAS PARAR DE COMER CARNE. A VERDADEIRA REFORMA VAI MUITO MAIS ALÉM...

Um verdadeiro reformador de saúde vive de acordo com estas normas:

1 . O que comer; quando comer; porque comer.

2. O que beber; quando beber; porque beber.

3. Um viver saudável (vestuário; exercício físico; água; luz solar; respiração, postura, hábitos de higiene, asseio e linguagem correta).

4. Confiança no poder de Deus “Através da medicina natural” (Natureza: A fonte dos remédios de Deus).